Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Projeto auxilia professores e alunos a resolver problemas no ambiente escolar
Extensão

Projeto auxilia professores e alunos a resolver problemas no ambiente escolar

26/03/2021 - “Mediação: Justiça restaurativa e de construção da paz” foi criado no Campus Natal-Central e já ajudou pessoas de todo o Brasil

Projeto auxilia professores e alunos a resolver problemas no ambiente escolar

Reuniões do projeto são realizadas por meio da plataforma Telegram

O projeto de Extensão “Mediação: Justiça restaurativa e de construção da paz”, coordenado pela servidora Valiene Oliveira, do Campus Natal-Central, teve início em 20 de abril em 2020, com o propósito de consistir um trabalho de resolução de conflitos existentes no ambiente educacional.

A coordenadora Valiene Oliveira explica que o objetivo do projeto é “capacitar o mediador, que surge para ajudar determinada situação, para que, ao se reunir com pessoas em conflitos, possa firmar um acordo, a fim de que as pessoas envolvidas resolvam o problema, sem o uso da violência”. Valeria, que é formada em Recursos Humanos, diz ainda que “as reuniões de resolução focam no futuro, naquilo que pode ser feito daquele momento em diante, para resolver uma situação, sem a culpabilização dos envolvidos”.

Em razão da pandemia do novo coronavírus, as atividades do projeto vêm sendo realizadas de forma remota, por meio do aplicativo Telegram, utilizando-se de videoconferências para o esclarecimento de dúvidas e aplicação de mediação. “Diante do processo que estamos vivendo atualmente, oferecer um curso de capacitação on-line para os professores e demais integrantes da rede pública foi fundamental para acolher as suas vulnerabilidades e estresses”, disse Valiene.

 

O projeto vem ajudando professores e estudantes de todo o país, como conta a coordenadora: “Foi aberto não somente para a comunidade externa local, mas para todo o Brasil, trazendo mais credibilidade, acessibilidade e visibilidade das ações que o IFRN pode proporcionar. Os participantes puderam amadurecer um autêntico modelo de democracia interna, promovendo experiências dialógicas, mas também propícias à fertilização do ambiente comunitário e à formação de um quadro de colaboradores aptos a facilitarem as práticas propriamente restaurativas, quando se tornarem oportunas e necessárias”.

Ainda segundo Valiene Oliveira, é a violência, em qualquer ambiente, precisa ser enfrentada, e um dos primeiros passos para isso é reconhecer o problema: “A violência, seja na comunidade, na família ou na escola, deve ser enfrentada em todas as suas formas. Um primeiro passo é reconhecer sua existência, os contextos e situações em que a violência possa estar escondida ou silenciada. A partir desse primeiro passo, que é possivelmente o mais difícil, a escola pode pensar em estratégias efetivas de intervenção e prevenção. A superação das violências no ambiente escolar deve se dar por meio da instauração de políticas públicas e práticas que transformem os estabelecimentos educacionais em espaços de convivência das diversidades”, pontuou.

Ações do documento

Página em carregamento