Portal IFRN

Educação, Ciência, Cultura e Tecnologia em todo o Rio Grande do Norte

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Aeronáutica

Alunos do Campus Natal-Central se destacam na Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica

Edição 2022 será no dia 20 de maio, em formato presencial

Publicada em 13/05/2022 Atualizada há 1 ano, 2 meses

Estudantes do IFRN, na edição 2021 da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e a Mostra Brasileira de Foguetes (Mobfog), conquistaram 60 medalhas. Foram 40 de ouro, 16 de prata e quatro de bronze, espalhadas por 15 campi: Natal-Central, Apodi, Caicó, Ceará-Mirim, Ipanguaçu, Macau, Mossoró, Natal-Zona Norte, Nova Cruz, Parelhas, Parnamirim, Pau dos Ferros, Santa Cruz, São Gonçalo do Amarante e São Paulo do Potengi. No link no final da página, a lista completa de medalhistas.

O Campus Natal-Central (CNAT) teve destaque na OBA através dos alunos César Augusto Noronha e Souza Júnior (ouro), Klaus Augustus Ramos (ouro) e Renata Daniele Barreto de Carvalho (Bronze). De acordo com o aluno César Augusto, a emoção de alcançar o prêmio foi muito boa: "Tirei medalha de ouro e eu fiquei  muito feliz, pois desde muito jovem a área da Astronomia e Astrofísica me encantava bastante, sendo o sentimento de ganhar uma premiação nessa área extremamente gratificante. A participação foi um pouco diferente, pois ainda estávamos no ensino remoto, mas apesar disso ainda foi muito bom poder ter a oportunidade de adentrar no mundo da Astronomia por meio dessa prova".

Prova que também fez o aluno Klaus Augustus Ramos, medalhista de ouro  na OBA, motivado pela curiosidade, ingressar nesse mundo novo: "Achei interessante participar da olimpíada porque é uma área nova para mim e que tinha a curiosidade de conhecer um pouco mais. Apesar de não ter sido uma dedicação considerável ao estudo da Astronomia, fiz a olimpíada mais como um hobbie e para contar para o currículo".

Currículo que agora a estudante medalhista de bronze do Campus Natal-Central, Renata Daniele Barreto de Carvalho, do curso de Mecânica, lembra com alegria: "Eu recebi uma medalha de bronze na edição do ano passado. Fiquei feliz e muito animada quando vi o resultado. Estava estudando bastante para a olimpíada. Foi minha primeira OBA, então fiquei muito feliz com o bronze e vou sim tentar novamente esse ano. A experiência da prova é muito boa, as questões são empolgantes e é um desafio muito legal para quem gosta do assunto".

O evento nacional é realizado nas escolas brasileiras desde 1998, que conta com a participação de escolas públicas e privadas para estudantes do ensino fundamental e médio e concede premiação aos melhores resultados.

2022

A Edição 2022 da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) e a Mostra Brasileira de Foguetes (Mobfog) será realizada em formato presencial no dia 20/05/2022. A OBA consiste em uma prova sobre conteúdos relacionados à Astronomia e Astronáutica com duração máxima de três horas.

A Mobfog é uma olimpíada inteiramente experimental, pois consiste em construir e lançar, obliquamente, foguetes, a partir de uma base de lançamento, o mais distante possível. Foguetes e bases de lançamentos devem ser construídos por alunos individualmente ou em equipes de até três componentes. Para participar da Mostra é necessária a inscrição na OBA. 

Difusão do conhecimento

Para a organização do evento, a OBA é tida como uma “oportunidade de difundir o conhecimento astronômico pela sociedade brasileira, fomentar o interesse dos jovens pela Astronomia e pela Astronáutica e ciências afins”. A Olimpíada é coordenada por uma comissão formada por membros da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e da Agência Espacial Brasileira (AEB) e conta com o apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), da Universidade Paulista (Unip), Visiona Tecnologia Espacial, que atua como integradora de soluções baseadas em sistemas espaciais, e Avibras, empresa de engenharia com atividades nas áreas de Defesa e Civil.

Acesse

Lista completa de medalhistas do IFRN em 2021;

Portal da OBA e Mobfog 

Palavras-chave:
ensino
extensao

Notícias relacionadas