Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Museu Quilombola Gídeo Véio reabre de forma virtual
Preservando a memória

Museu Quilombola Gídeo Véio reabre de forma virtual

04/10/2021 - Lançamento do ambiente virtual será no dia 15 deste mês, no canal do YouTube IFRN Oficial

Museu Quilombola Gídeo Véio reabre de forma virtual

Desde 2020, o Museu Gídeo Véio conta com o apoio do IFRN, por meio do Neabi do Campus Canguaretama, e da ONG Cecop.

No dia 15 de outubro, a partir das 17h, o Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN) realizará o relançamento do Museu Quilombola Gídeo Véio. O lançamento será de forma virtual, através do canal do YouTube IFRN Oficial. A ação é fruto do Projeto de Extensão “Museologia Social e instalação do museu comunitário quilombola - Gideo Véio” e conta com fomento do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (Neabi) do Campus Canguaretama, em parceria com a Organização não Governamental Centro de Documentação e Comunicação Popular (Cecop).

Após passar meses com as atividades interrompidas, em razão da pandemia do novo coronavírus, o Museu Gídeo Véio mudou de endereço, foi reestruturado e será reaberto ao público. Os visitantes poderão, novamente ou pela primeira vez, visitar o passado da comunidade quilombola criada a partir do escravo que fugiu em busca de liberdade: Gídeo Véio. A sede física está situada na Serra da Gameleira, no município de São Tomé, a cerca de 110 quilômetros de Natal, onde Gídeo Veio encontrou refúgio após se deparar com um olho d'água e formou a comunidade quilombola.

Museu Gídeo Véio e IFRN

Fundado pela bisneta de Gídeo, a pesquisadora Maria Lúcia Nascimento, em 2016, o Museu tem o objetivo de preservar o legado, a memória, a cultura, a culinária, o som e as cores do antigo escravo e de toda a comunidade quilombola da Serra da Gameleira. Naquela época, por estar em uma sede provisória, o local teve de ser desocupado, o que fez o Museu interromper suas atividades.

Em 2020, Maria Lúcia, que atualmente reside em Portugal, buscou apoio do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN). Assim, o Museu passou a contar com a colaboração do Instituto por meio do Neabi do Campus Canguaretama do IFRN, representado pelo diretor-geral do Campus, professor Flávio Ferreira, pelo professor Nilton Xavier e pela estudante indígena Meyriane Costa.

Pensando em colaborar ainda mais com o Museu, o professor Flávio, que também é antropólogo e cientista social, propôs o projeto de Extensão “Museologia Social e instalação do Museu Comunitário Quilombola - Gídio Véio”. Conforme sua descrição, o objetivo é preservar “os lugares simbólicos e de memória mediante o desenvolvimento de inventários coletivos, a fim de garantir e afirmar a cidadania, direito à memória e políticas culturais”.

Parceria com ONG Cecop e acervo digital do Museu

O Museu Gídeo Véio conta ainda com o apoio da ONG potiguar Centro de Documentação e Comunicação Popular (Cecop), por meio da qual foi obtido apoio financeiro pela Lei Aldir Blanc, que garante financiamento ao setor cultural.

Raimundo Melo, um dos coordenadores da ONG, explica que a modernização do Museu, com a criação de um ambiente virtual, busca melhorar a exposição do acervo da entidade, composto for fotografias, ilustrações, pesquisas, entrevistas e objetivos doados pelos moradores da região.

Após a reestruturação do Museu, os visitantes poderão ter acesso a quatro espaços. Como explica o professor Nilton Xavier, no primeiro deles, será possível conhecer a organização da nova fase do Museu Gídeo Véio. O segundo espaço é reservado para a história da comunidade e do Museu. No terceiro, serão expostas as atividades produtivas a partir das práticas de trabalhos. No quarto espaço, a culinária da comunidade recebe as atenções.

Evento de lançamento

O lançamento virtual do Museu Gídeo Véio acontece no dia 15 de outubro (sexta-feira), a partir das 17h. O evento será transmitido ao vivo pelo canal do YouTube IFRN Oficial.

Acesse

Canal do YouTube IFRN Oficial

Ações do documento

Página em carregamento