Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Iniciativa se transforma em projeto pedagógico para criação de imagens
extensão

Iniciativa se transforma em projeto pedagógico para criação de imagens

24/08/2022 - Pesquisa cria kit pedagógico que auxilia no aprendizado de composição visual

Iniciativa se transforma em projeto pedagógico para criação de imagens

Roberto Leite analisa uma imagem junto de aluna do Truque

Por Amanda Macêdo, estagiária de Jornalismo da Coordenação de Comunicação e Eventos do Campus Natal Cidade Alta do IFRN 

Refletir, compreender, descrever e contextualizar são passos que caracterizam o processo de análise de uma imagem, como mostra a pesquisa desenvolvida pelo servidor do IFRN, Roberto Leite. Intitulada “Truque: um kit pedagógico como ferramenta para ensino da análise e criação das imagens”, a investigação, realizada durante seu mestrado em Design da Imagem na Universidade do Porto, em Portugal, trata da criação e implementação de um kit pedagógico que tem como objetivo introduzir estudantes do ensino secundário e superior à composição visual.

O kit é composto por materiais tanto físicos como digitais e pode ser montado de acordo com as necessidades do público alvo. O Truque tem como principais objetivos contribuir para a capacitação dos participantes e despertar o interesse dos alunos para a comunicação das imagens.

A criação do Truque envolveu seis fases que incluíram coleta de dados, interpretação, síntese, criação, implementação e avaliação. O ponto de partida aconteceu por meio do projeto de extensão 50mm, implementado entre 2017 e 2019 no Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), no qual Roberto foi coordenador. A ação funcionava como uma agência destinada a atender demandas internas do Instituto na produção visual e contava com a participação de estudantes bolsistas e voluntários. 

Segundo Roberto, responsável por aplicar algumas atividades aos alunos participantes do projeto, a motivação para a investigação surgiu dessa experiência. “Para esta pesquisa, fizemos uma seleção dos principais experimentos desenvolvidos para documentar e analisar as experiências. O objetivo era registrar um primeiro repertório que poderia ser utilizado na pesquisa, como identificar as origens, problemas, potenciais e oportunidades”, diz o pesquisador.

Concepção do kit pedagógico

Após levantamento documental junto ao 50mm, Roberto iniciou a construção da ideia do Truque. Para isso, criou um painel de conceito que lhe ajudou a visualizar as características do kit pedagógico e, só então, deu início às outras fases da pesquisa. Entre os primeiros passos, ele iniciou a coleta de dados com entrevistas a professores e pesquisadores ligados a atividades das áreas de Design, Arte, Fotografia, Audiovisual e outros projetos de análise e criação de imagens. O objetivo era descobrir, com as respostas, as principais dificuldades do ensino remoto no contexto da pandemia, bem como estratégias para abordar o conteúdo e implementar os exercícios, expectativas e sugestões para o material pedagógico.

O processo de confecção do kit se concentrou na busca pelas soluções para as principais perguntas levantadas durante a análise das entrevistas. Para responder às perguntas de "Como manter os alunos motivados?" e "Como despertar a curiosidade dos alunos?" Roberto decidiu que era imprescindível trabalhar com imagens que enriquecem o repertório visual. A solução encontrada para essa questão resultou na criação de duas coleções de imagens impressas que podiam ser manipuladas pelos estudantes. A primeira com 20 imagens escolhidas pelos professores e a segunda com outras 10 enviadas pelos alunos durante a inscrição. 

Ao refletir sobre as vantagens de utilizar itens físicos como parte do kit pedagógico, foi decidido que o material poderia funcionar como ferramenta que simulasse alguma ação ou interferência que o professor faria durante uma aula presencial. Para isso, Roberto definiu que além das coleções e material digital, os alunos inscritos no Truque receberiam um folder explicativo do kit, um caderno contendo os textos dos áudios gravados, pelo próprio pesquisador, um catálogo com informações das imagens que compõe as coleções e as referências bibliográficas usadas no texto.

Criação e implementação

Com o material e identidade visual preparados, o Truque recebeu a autorização para realizar a primeira oficina remota no Campus Natal-Cidade Alta do IFRN, em junho de 2021. A princípio, o kit foi implementado para uma turma de 12 alunos, durante 10 dias. Nos encontros, Roberto e os alunos realizaram exercícios de criação por meio de videochamadas ou aulas assíncronas, em que os alunos escutavam áudios do professor que guiava os estudos dos demais materiais. 

No primeiro encontro, os alunos tiraram dúvidas de como funcionava a oficina e se apresentaram. No decorrer das aulas, o pesquisador aplicou exercícios de Colagem para Volume, Extraindo Conceitos e Desenhando Sobre a Imagem. No último encontro remoto realizado, os alunos apresentaram seus trabalhos e responderam, numa escala de notas, um questionário avaliando a experiência com a oficina, os exercícios, as locuções do professor e o kit pedagógico. Os resultados da pesquisa indicaram que o objetivo principal do Truque foi atingido com sucesso pela maioria dos alunos participantes da oficina.

Perspectivas

Agora em 2022, as experiências com o Kit ganharam novas perspectivas com o retorno das aulas presenciais. Por meio da Formação Inicial e Continuada (FIC), Roberto implementou o curso “Truque - laboratório de criação e análise de imagens”, com 15 vagas para estudantes do curso de Multimídia do Campus Natal - Cidade Alta, do IFRN. Funcionando como um espaço que possibilita os alunos colocarem a mão na massa, os participantes são apresentados a conceitos como linha, superfície, volume, entre outros elementos de composição de imagem. No laboratório de design, eles aprendem a usar software de ilustração vetorial e, posteriormente, começam a criar suas próprias produções. 

Para Roberto Leite, ainda há muito a ser feito neste projeto, mas comemora os bons resultados observados até aqui. “Os alunos já estão familiarizados com a criação de imagens para corresponder a conceitos. O próximo passo agora é abordar outros assuntos que ainda não foram explorados em uma estrutura curricular ainda mais completa”, comenta o pesquisador. No geral, ainda segundo ele, o projeto trouxe resultados satisfatórios que possibilitaram a identificação dos sucessos e falhas da primeira implementação. Além de avaliar a participação e interesse dos estudantes, Roberto identifica que sua pesquisa pode avançar, tendo como nova etapa os estudos da semiótica de imagem.

Ações do documento

Página em carregamento