Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Heteroidentificação: I Ciclo Formativo realiza última atividade nesta quarta, 26/10
CICLO FORMATIVO

Heteroidentificação: I Ciclo Formativo realiza última atividade nesta quarta, 26/10

25/10/2022 - Atividade coordenada pelo Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas do IFRN

Heteroidentificação: I Ciclo Formativo realiza última atividade nesta quarta, 26/10

Evento aberto para toda comunidade

O Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas do IFRN (Neabi), vinculado à Pró-Reitoria de Ensino do IFRN (Proen), realizará o último encontro do I Ciclo Formativo: Consolidação das bancas de heteroidentificação nesta quarta-feira, 26 de outubro. 

Além de estudantes, servidores e docentes do IFRN, também toda a comunidade externa pode participar do evento. As inscrições podem ser realizadas através do link. O evento é gratuito e é realizado no formato on-line. 

Programação 

Com duas mesas-redondas, o evento será realizado via YouTube, no Canal IFRN Oficial. 

Mesa-redonda VI - 9h

 Epistemicídio & Necropolítica: marcadores sociais da diferença e as desigualdades na construção do Estado brasileiro, com Alexandro Silva de Jesus, professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), e Tatiane Pereira Muniz, do Instituto Federal da Bahia (UFBA). 

Mesa-redonda VII - 14h 

Transformando de dentro: o impacto da entrada dos negros, indígenas e quilombolas nas instituições federais, com Carlos Benedito Rodrigues, professor da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Beatriz Martins Moura, professora da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), e Meyriane Costa de Oliveira, graduada pelo IFRN e estudante da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). 

Histórico 

Com o tema  “Implicações sobre o bicentenário da independência nos dez anos da "lei de cotas", o Ciclo realizou sua primeira etapa em 25 de maio deste ano. Para o professor e coordenador do Neabi/IFRN, Gilson Rodrigues, a proposta do evento surge de diversas demandas institucionais reverberadas de complexos processos - históricos, sociais, culturais e políticos - que marcam a sociedade brasileira, sobretudo o advento do Brasil enquanto Estado Moderno e independente. 

"Não é possível falar na construção da brasilidade sem falar nas diferenças e desigualdades étnicas e raciais que as constituem. Dessa forma, este evento surge pela urgência da instituição das bancas de heteroidentificação, como parte do processo de reconhecimento destas de desigualdades e garantia do exército de direito a acesso a espaços de maiores oportunidades e direitos", conta Gilson. 

Acesse 

Página de inscrição 

Mesa VI - Epistemicídio & Necropolítica: marcadores sociais da diferença e as desigualdades na construção do Estado brasileiro 

Mesa-redonda VII - Transformando de dentro: o impacto da entrada dos negros, indígenas e quilombolas nas instituições federais

Ações do documento

Página em carregamento