Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Professor é nomeado novo ouvidor do IFRN
Ouvidoria

Professor é nomeado novo ouvidor do IFRN

17/02/2021 - Daniel Lobão passa a responder pela Ouvidoria

Professor é nomeado novo ouvidor do IFRN

Professor Daniel Lobão é o ouvidor mais jovem na história do IFRN

No dia 9 de fevereiro de 2021, o Conselho Superior do IFRN (Consup), em reunião extraordinária, homologou o nome do professor Daniel Lobão como novo ouvidor do Instituto Federal do Rio Grande do Norte. A aprovação se deu de forma unânime entre os membros do Consup e a Portaria N° 331/2021 de nomeação do professor saiu nessa quinta-feira (25). Lobão assume o cargo a partir desta sexta (26).

TRAJETÓRIA 

Daniel Lobão dos Santos Figueiredo é professor do Campus Ipanguaçu e faz parte do Conselho Superior. Sua relação com o IFRN começou no ensino médio, quando cursou Edificações. Após isso, passou a trabalhar em uma empresa que o motivou a cursar, em 2010, o Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, no Campus Natal-Central do Instituto. Graduou-se em 2014, mesmo ano em que ingressou no IFRN como professor de Sistemas de Informação, atuando nas disciplinas de Programação, em cursos técnicos integrado e subsequente e licenciaturas, além de Informática Básica, nos demais cursos do Campus Ipanguaçu. Daniel também é mestre em Inovações e Tecnologias Educacionais (2017-2019). 

Durante a graduação, fez parte do Movimento Estudantil do Centro Acadêmico de seu curso, o qual ajudou a fundar e foi seu segundo presidente. “A gente tentou fazer muitas melhorias lá na vida dos estudantes; a gente levou muitas palestras de empresas internacionais, fizemos o lançamento de Windows 8, da Microsoft, muitas atividades”, relembra o professor. Em 2015, atuou no Sinasefe, sindicato representativo dos servidores do Instituto.

O professor fez parte do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (Consepex) de 2014 a 2015. Desde 2019, ele compõe o Conselho Superior do IFRN, cujo mandato, em razão das demandas que a Ouvidoria vai requerer, não será renovado este ano. O novo ouvidor relembra sua passagem no Consup: “quando entrei, conhecia apenas o conselheiro Geraldo Peregrino, representante dos servidores técnicos-administrativos, do Campus Natal - Cidade Alta, mas, agora, após esses quase dois anos, saio com laços que foram estreitados e forjados sob muita resistência”.

Falando em resistência, o novo ouvidor relembra o período de gestão pro-tempore do Instituto: “foi um ano muito desgastante. Sem sombra de dúvidas, o ano de 2020 foi um dos mais desafiantes para a história do Conselho Superior". No entanto, Daniel guarda consigo as boas memórias construídas ao longo de sua passagem pelo Consup e destaca o apoio recebido pelos colegas nos momentos em que ele classifica como “adversos”. “Se necessário fosse, eu passaria mais três anos como conselheiro em momentos também difíceis, pois teria o privilégio de continuar ajudando a construir o IFRN com as pessoas que estão no Conselho Superior neste biênio 2019-2021”, diz Daniel.

A OUVIDORIA

O novo ouvidor explica que o espírito de ajudar, especificamente o de resolver problemas, sempre o motivou. Ele afirma que assumir essa função potencializa esse seu perfil. Daniel explica que o ouvidor não possui poderes administrativos para implantar mudanças, mas é ele quem faz a intermediação tanto do público interno quanto do externo com a administração do IFRN, gerindo os mecanismos internos de reclamações, manifestações, sugestões e elogios. Para o professor, a Ouvidoria é um “potencial de causar mudanças” e é esse o desafio que ele afirma ter desejado assumir.

“Para mim, se torna a finalização de um ciclo e o início de outro, porque até agora, eu venho agregando cada vez mais as experiências de diferentes realidades, como estudante, depois como professor, depois como sindicalista, conselheiro e agora vou estar como um elo da gestão que, na verdade, não é da gestão, porque a ouvidoria tem independência. Eu vou estar justamente servindo, através da minha experiência, nesse momento, para evolução do Instituto”, conclui o novo ouvidor do IFRN.

Ações do documento

Página em carregamento