Você está aqui: Página Inicial / Campi / Canguaretama / Notícias / Dia do Professor: "Educar é ensinar os outros a viver"
COMEMORAÇÃO

Dia do Professor: "Educar é ensinar os outros a viver"

15/10/2021 - Docentes relatam experiências e inspirações profissionais

Dia do Professor: "Educar é ensinar os outros a viver"

Dia do Professor foi criado por Antonieta de Barros, primeira mulher negra a ser eleita, em 1934, deputada estadual por Santa Catarina.

"Educar é ensinar os outros a viver; é iluminar caminhos alheios; é amparar debilitados, transformando-os em fortes; é mostrar as veredas, apontar as escaladas, possibilitando avançar, sem muletas e sem tropeços". Assim o Jornal Correio Brasiliense cita o discurso de Antonieta de Barros (1901-1952), primeira mulher negra a ser eleita no país, responsável pela criação do Dia do Professor, em 1948. 

A data passou a ser celebrada nacionalmente em 1963, no governo de João Goulart, então presidente da República. O Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), simbolicamente, presta homenagem na Reitoria e em seus campi a essa figura indispensável à construção de uma sociedade mais justa, humana e ética: saudamos professores e professoras pelo dia com uma matéria especial, que traz perfis e opiniões de docentes do Instituto sobre sua profissão e sobre os desafios atuais. Desejamos parabéns a cada professor e professora e, também, uma boa leitura a você.

 

(Trecho acima extraído de matéria do Portal da Reitoria do IFRN, de 15/10/2021, por Cleyton Fernandes e Max Praxedes)

O Diretor Geral do IFRN Campus Canguaretama, Professor Flávio Ferreira, é professor há 18 anos, sendo 9 anos dedicados ao IFRN. E conta que a paixão pelo conhecimento; a vontade por transmiti-lo; e o desejo ético por melhorar o outro e a ele mesmo, foi o que motivou o professor da disciplina de sociologia a iniciar sua carreira na docência.

 

Indispensabilidade da docência para a vida social em sua reprodução e transformação

Para Flavio Ferreira, " Sem esse profissional o mundo seria amargo, sem cor, sem vida, sem profissões. O ofício docente é fundamental para a vida social em sua reprodução e transformação ".

O diretor destaca quanto a experiencia de ensino remoto que " A palavra reinvenção tem sido bastante utilizada nesse processo de adaptação de nossa prática. Sem dúvida estamos tratando de uma experiência inédita em escala global, um período marcante que nos afetou em nosso fazer. A relação social construída em uma sala virtual é diferente, por ser distante e fria.  Obviamente que se trata de um processo também que alguns podem destacar os aspectos positivos. Particularmente, penso que ensino, aprendizado e construção do conhecimento necessitam da presencialidade”

E sua expectativa é que “...nossa retomada seja segura, diante de todas as perdas e que seja feita com acolhimento mútuo.  Educação é mais do que ensinar, se faz com esperança.  Espero e desejo que dias melhores estejam por vir”.

 

Acesso ao Ensino, e Contribuição de Atividades de Extensão e Pesquisa.

A professora Creusa Lelis, que leciona a disciplina de Educação Física, enxergou na docência a possibilidade de contribuir não apenas com a formação intelectual dos alunos, mas, acima de tudo, formar para a vida, ensinando valores, mostrando a necessidade de resistência e de luta pelos sonhos.

Docente há 25 anos, e servidora do Instituto há 14 anos, Creusa conta que ser professora era sua segunda opção já que quando criança, sonhava em ser médica pediatra. No entanto, a vida lhe conduzindo por outros caminhos.

“Filha de pais muito pobres, que não puderam me oferecer as melhores escolas, nem os materiais didáticos necessários, não consegui entrar na faculdade de Medicina, apesar das cinco tentativas. Contudo, meus pais sempre me ensinaram que a educação pode contribuir para uma vida melhor e com o incentivo deles, quando fui aprovada para segunda opção no Curso de Educação Física de uma universidade particular, eles não mediram esforços e me matricularam. Inicialmente, foi uma batalha grande custear a faculdade, mas no segundo semestre eu já estava apaixonada pela arte de ensinar... Fui me envolvendo em projetos de extensão e de pesquisa, os quais, através das bolsas, ajudavam no pagamento da mensalidade. E no final do segundo ano do Curso fui transferida para uma universidade pública. A realização profissional estava cada dia mais fortalecida”.

 

Durante o período de ensino remoto, Creusa viu que em sua área de atuação a prática de ensino deixou algumas lacunas, haja vista que as atividades práticas não puderam ser realizadas da mesma forma que no ensino presencial. E acrescenta “Mas como estamos sempre nesse processo de inacabamento, buscando superar os desafios e tentando fazer da melhora maneira, tivemos que nos reinventar, oportunizando momentos de muita reflexão sobre a importância do movimento e procurando despertar nos alunos e nas alunas o gosto pelo exercício físico e pela busca de uma melhor qualidade de vida. Apesar das limitações, acredito que estamos fazendo o melhor”. E declarou que suas maiores expectativas são de retorno à normalidade, mesmo sabendo que jamais seremos os mesmos depois de todo esse processo que estamos vivendo.

 

Benefícios Resultantes da Docência

A possibilidade de aprender cada dia mais e o desejo em continuar se aprimorando como pessoa e profissional, foi o que impulsionado a professora de Turismo e Eventos Darlyne Fontes a ingressar na carreira docente. Com 8 anos de profissão e 8 anos de IFRN, ela atribui a importância de ser professor a " partilhar momentos únicos de crescimento pessoal e profissional junto aos meus alunos. Vejo que a profissão é desafiadora, mas igualmente recompensadora".

"O ensino remoto me ajudou a gerir melhor meu tempo, assim como a me desenvolver quanto ao uso de recursos tecnológicos para orientação de TCC, reuniões, eventos, projetos, adquirindo uma linguagem específica e conhecendo diferentes plataformas de pesquisa e aplicativos”

E compartilha também que as expectativas profissionais para a retomada do ensino presencial são as melhores e “voltar a conviver com os alunos e os colegas do campus é um sonho de todos, pois é esse contato, o olho no olho, as alegrias, os aprendizados, as parcerias e as amizades que nos move diariamente”.

 

 

No Xadrez da Educação o Professor é o Rei.

Completamos os depoimentos com o do professor Alysson Espedito de Melo que conta ter vindo de uma família de professores, sua mãe e tias tinha essa profissão e complementa usando um ditado popular "filho de peixe, peixinho é” Afirma que fui pela área da educação onde está até hoje e não pretende sair.

“Considero professor como a peça mais importante desse xadrez da educação. Costumo dizer que muitas vezes constroem escolas modernas, investem na tecnologia, mas a principal peça, é preciso ser mais valorizada, e a importância dela dentro da nossa sociedade é fundamental. Não tem dinheiro, não tem médico, não tem professor sem professor né? Então a profissão de professor é na minha opinião crucial, sem ela o xadrez não funciona não”

Alisson relata que tem 24 anos de sala de aula em ensino presencial, e que de uma hora para outra se deparar com outra realidade, considera ser como uma educação mais fria. “A gente não tem um contato direto com o aluno, não escuta os problemas dos alunos, carga horária reduzida, e eu que tenho o hábito de sempre conversar com os alunos, escutar e ser mais que um professor e ser um amigo, achei o ensino remoto muito frio, muito distante então a minha expectativa pelo retorno presencial é demais. Voltar o ensino presencial para mim é voltar a atividade, voltar a viver novamente”.

O Campus Canguaretama estende essa homenagem a todos que são docentes, vocês são como jardineiros que plantam, regam e cuidam carinhosamente, sempre que lhes entregue a responsabilidade de cuidar de vidas e cultivar o crescimento e evolução. Agradecemos imensamente por toda dedicação e parabéns professor, 

Ações do documento

Página em carregamento