Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Interlocução e participação integradora marcam nova fase do convênio com a Universidade do Minho
internacionalização

Interlocução e participação integradora marcam nova fase do convênio com a Universidade do Minho

19/04/2018 - Com professora desenvolvendo atividades no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade, IFRN avança nas relações internacionais

Interlocução e participação integradora marcam nova fase do convênio com a Universidade do Minho

Professora foi incorporada como pesquisadora no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade da UMinho

O convênio firmado entre a Universidade do Minho (UMinho) e o IFRN alcançou outro nível de integração. Agora, além dos mestrandos e doutorandos do Instituto que mantêm vínculo com a universidade portuguesa, há o desenvolvimento de estudos na área do pós-doutoramento no Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS). À frente das atividades, a professora Kadydja Chagas.

Palestra e seminários

Entre os meses de março e abril, Kadydja, junto a professora Emília Rodrigues, da Uminho, tem realizado intervenções que buscam a interlocução entre os públicos que integram a parceria. Exemplo disso foi a palestra “Educação Sensível na Prática Desportiva”, que debateu desafios, por parte das crianças e jovens, no hábito de atividades esportivas e de recreação e o ciclo de seminários “Tempos Sociais”, que realizou três sessões dedicadas ao tema “Tempo e Ciência”:

  • (Des)orientações e condução de trabalhos científicos: TCC, Dissertação e Tese;
  • A educação sensível na investigação científica;
  • Entre cartografias e cronografias do tempo da investigação científica

Organizado pelo CECS, o ciclo constituiu-se como espaço de reflexão sobre a importância do tempo, dos ritmos e das temporalidades na compreensão do mundo social. Os seminários incluem apresentações e debates sobre conceitos, metodologias e propostas criativas, envolvendo questões relacionadas à temporalidades e aos tempos sociais.

Pós-doutoramento

“Nesta pesquisa investigamos o tempo vivido na produção científica e seus significados para os orientandos da Uminho e do IFRN. No estudo buscam-se os significados, expectativas, vivências e desenvolvimento estratégico para uma produção científica em tempos de aceleramento”. Assim Kadydja define a investigação que vem desenvolvendo sob orientação da professora Emília. Segundo a docente, que coordena a pós-graduação em Gestão de Programas e Projetos de Esporte e Lazer na Escola no Campus Natal Cidade Alta, o intuito é de que o trabalho contribua para o desenvolvimento de estratégias que articulem o tempo vivenciado e produção científica, atendendo às expectativas de orientandos e orientadores. A professora recentemente passou a integrar o Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade como colaboradora.

Rigor científico

Constituído por professores pesquisadores de referência em Ciências Sociais, o Centro leva docentes e discentes a um diálogo sobre o processo de orientações nos estudos em ciências sociais, através da troca de experiências acadêmico-científicas. O trabalho desenvolvido por Kadydja faz referência à percepção da temporalidade, que, segundo ela, na perspectiva de doutoramento, pode ser considerada uma forma de ampliar as questões e preocupações peculiares ao desenvolvimento acadêmico na pós-graduação stricto sensu. “Associamos o rigor científico à empatia e sensibilidade no processo de produção científica, com a flexibilidade necessária e possível para finalização do processo acadêmico-científico, promovendo empatia, motivação e envolvimento com a pesquisa em desenvolvimento”, disse.  Para a professora, o foco para os estudantes que preparam projetos de mestrado e de doutoramento deve tocar alguns pontos:

  • Permitir-se ao novo, ao inusitado, a desconstrução;
  • Ter objetividade e determinação;
  • Promover o hábito da leitura e da escrita científica;
  • Investir em uma gestão de tempo que seja favorável à produção científica.

Para Auridan Dantas, diretor de Gestão de Pessoas, foi imensamente importante comprovar de perto, o quanto o convênio contribui e pode potencializar e aperfeiçoamento do trabalho dos servidores. Para Márcio Azevedo, pró-Reitor de Pesquisa e Inovação, a inserção da professora Kadydja Chagas como membro de um Centro de Investigação na UMinho, indica novos e importantes passos da pesquisa, da pós-graduação e das publicações numa perspectiva internacional. 

"Estivemos na universidade, e foi um ponto convergente entre ambos os reitores, de que, uma vez consolidado, o convênio deve avançar em outras frentes e ações, trazendo ganhos para o IFRN e para a UMinho", afirmou o professor Wyllys Farkatt, reitor do IFRN.

Com informações do Instituto de Ciências Sociais da UMinho

Ações do documento

Página em carregamento