Você está aqui: Página Inicial / Campi / Santa Cruz / Notícias / Programa Jovem Aprendiz abre portas para o mercado de trabalho
JOVEM APRENDIZ

Programa Jovem Aprendiz abre portas para o mercado de trabalho

05/02/2018 - Aluno do Curso Subsequente em Refrigeração e Climatização vivencia experiência como jovem aprendiz.

Programa Jovem Aprendiz abre portas para o mercado de trabalho

Aluno do Subsequente em Refrigeração e Climatização, Wellison, integra programa Jovem Aprendiz.

O Aluno Wellison Lima Moura da Silva, aluno do 3º período do curso Subsequente em Refrigeração e Climatização, é contratado pela UNIFACEX, através do programa Jovem Aprendiz, um programa que promove a inserção do aluno no mercado de trabalho e que permite o registro em sua carteira profissional, garantindo os direitos comuns a todos os trabalhadores contratados sob as diretrizes da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). 

O sistema funciona com as empresas cadastradas no programa. Para isso é necessário  procurar as instituições de ensino para solicitar indicações de possíveis aprendizes. No programa, a jornada de trabalho de um jovem aprendiz, em regra, não excede seis horas diárias.

"Espero aprender coisas novas com esta oportunidade oferecida através do programa Jovem Aprendiz e do IFRN, que abrirá portas no mercado de trabalho para mim." Define assim, o aluno Wellison, sobre o momento que está vivenciando.

Lei e Contrato de Aprendizagem

Segundo a Lei da Aprendizagem, um jovem aprendiz é aquele que está estudando em uma instituição pública ou privada e trabalhando ao mesmo tempo. Neste meio tempo, o jovem irá receber uma formação única para a profissão em que está se profissionalizando. Dentro da estrutura organizacional do IFRN, as vagas para aprendiz são, exclusivamente, para alunos dos cursos técnicos, nas modalidades integrado ou subsequente. A iniciativa, sob a perspectiva do contratante, também é bastante válida. Segundo o professor Thiago Loureiro, a lei da aprendizagem obriga as médias e grandes empresas (a partir de sete funcionários) a contratarem entre cinco e sete por cento de seu quadro funcional entre aprendizes, o que desestimula as vagas de estágio. Fazer a formalização como aprendiz ajuda ao empregador no cumprimento da cota, obedecendo a lei e não sofrendo penalidades por parte do Ministério do Trabalho e Emprego.

Para saber mais, acesse a página da Assessoria de Relações com o Mundo do Trabalho no Portal do IFRN.

 

Ações do documento

Página em carregamento