Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Programa Jovem Aprendiz aproxima estudantes do mundo do trabalho
OPORTUNIDADE

Programa Jovem Aprendiz aproxima estudantes do mundo do trabalho

23/03/2018 - O programa conta com aproximadamente 150 estudantes dando seus primeiros passos profissionais

Programa Jovem Aprendiz aproxima estudantes do mundo do trabalho

Alunos no dia da assinatura do contrato.

Segundo a Lei da Aprendizagem, um jovem aprendiz é aquele que está estudando em uma instituição pública ou privada e trabalhando ao mesmo tempo. Neste meio tempo, o jovem recebe uma formação única para a profissão em que está se profissionalizando.

O Instituto Federal do Rio Grande do Norte incentiva os estudantes dos cursos técnicos, nas modalidades integrado ou subsequente, a participarem do Programa Jovem Aprendiz. “Em 22 de março de 2017 o alcance do Jovem Aprendiz foi ampliado, uma vez que os campi do IFRN no interior do estado também puderam aderir ao programa, que conta, hoje, com aproximadamente 150 alunos trabalhando”, afirmou Thiago Loureiro, assessor de Relações com o Mundo do Trabalho. Ele ainda afirma que O Jovem Aprendiz está aberto para parcerias com novas empresas, a fim de aumentar as possibilidades de inserção dos alunos no mercado de trabalho.

Ana Cecília de Medeiros Araújo é aluna do curso integrado em Mineração, no Campus Avançado Parelhas, e é jovem aprendiz na empresa Casa Grande de Mineração, onde auxilia no laboratório de tecnologia mineral. “O Programa Jovem Aprendiz é uma grande experiência profissional. Estar ciente do comportamento e deveres que se deve ter no âmbito de trabalho é muito importante para a vida após concluir o curso. O bom é a conciliar a teoria vista ao longo dos quatro anos de curso com a prática que as análises físicas realizadas nas amostras da empresa me proporcionam. Acho o programa umas das melhoras oportunidades que se pode ter como estudante do IFRN, você só tende a crescer, tanto profissionalmente quanto socialmente”, afirmou a aluna.

Adrielle Dominique da Silva Oliveira, aluna do curso técnico integrado em Administração, no Campus Natal-Central, trabalha como jovem aprendiz no Atacadão. Para ela, a experiência pratica é algo extremamente valioso para aqueles que pensam em seguir a área superior na administração e cursos afim: “Conhecer o Jovem Aprendiz foi algo totalmente novo, saber que seria algo regularizado por contrato, carteira de trabalho... Até então eu pensava que ao começar a fazer a prática profissional obrigatória seria somente por meio de estágio. Fomos orientados a tirar a carteira de trabalho e cadastrar o currículo, não demorou muito para as empresas ligarem chamando para a entrevista. Passei no processo seletivo e hoje estou trabalhando no Atacadão, me identifiquei totalmente com a filosofia da empresa. Lá atuo em áreas estritamente administrativas, aprendendo na prática aquilo que eu estudo. A empresa tem uma estratégia de ‘rodízio’ com os aprendizes, fazendo com que mudemos de setor a cada 3 meses para termos uma visão e um aprendizado geral de como realmente funciona uma empresa de grande porte. Atualmente, o meu setor é o recebimento de mercadoria da empresa, e eu aprendo desde o processo da chegada, descarga, até a liberação dos caminhões que abastecem a loja, trabalhando especificamente com os sistemas que controlam as notas fiscais da mercadoria, o que para mim foi extremamente impactante, porque não é algo que a gente imagina como realmente é ao estudar na teoria do curso. Acredito que é uma grande oportunidade que o IFRN nos dá e sou imensamente grata por estar vivendo isso”, destacou a aluna.

Lei e Contrato de Aprendizagem

 “A lei da aprendizagem obriga as médias e grandes empresas (a partir de sete funcionários) a contratarem entre cinco e sete por cento de seu quadro funcional entre aprendizes, o que desestimula as vagas de estágio. Já fazer a formalização como aprendiz ajuda ao empregador no cumprimento da cota, obedecendo a lei e não sofrendo penalidades por parte do Ministério do Trabalho e Emprego”, disse o professor Thiago Loureiro.

A lei em questão, a 10.097, de dezembro de 2000, também estabelece que o jovem aprendiz terá direito a CTPS (Carteira de Trabalho e Previdência Social), assim como salário mínimo baseado em suas horas de trabalho e demais direitos trabalhistas como qualquer funcionário de uma empresa, como 13º salário e férias.

Para saber mais, acesse a página da Assessoria de Relações com o Mundo do Trabalho no Portal do IFRN ou ligue para 4005.0891.

Ações do documento

Página em carregamento