Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Núcleos de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas promovem a consciência negra em todo o estado
neabi

Núcleos de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas promovem a consciência negra em todo o estado

28/11/2019 - O objetivo é valorizar as diferentes manifestações culturais de etnias e de segmentos sociais

Núcleos de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas promovem a consciência negra em todo o estado

Ação do Campus Pau dos Ferros na Comunidade Quilombola do Pêga, em Portalegre. Foto: Jarlon Medeiros

“Essa data é um momento simbólico para visibilizar, de maneira mais direta, a importância da resistência, da representatividade e da cultura negra em nosso país”, disse Nilton Xavier, professor do Campus Canguaretama e coordenador sistêmico do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (Neabi) do IFRN. Ele se referia ao último 20 de novembro - Dia Nacional da Consciência Negra. De acordo com o coordenador, o Neabi está presente, hoje, em todos os campi do Instituto e tem como objetivo valorizar as diferentes manifestações culturais de etnias e segmentos sociais, preservando o direito à diversidade.

Este ano, as atividades alusivas à data contaram com ações nos campi Apodi, Caicó, Ceará-Mirim, Currais Novos, Canguaretama, João Câmara, Nova Cruz e Ipanguaçu, Natal-Central, Natal-Zona Leste (EaD), Pau dos Ferros, Parelhas e São Paulo do Potengi. As programações marcaram o Dia com discussões sobre resistência, empoderamento, racismo e práticas culturais relacionadas à história e à cultura afro-brasileira.

Em Currais Novos, os professores Charlyene de Souza e Marcos Queiroz promoveram uma ação educativa na comunidade Negros do Riacho, que contou com a entrega de fotografias, mapas genealógicos e relatório de pesquisa em formato de livro. Em Pau dos Ferros, estudantes e professores foram até a Comunidade Quilombola do Pêga, em Portalegre, conversar sobre o valor cultural do lugar e das pessoas. O Neabi do Campus Canguaretama também realizou atividades no Campus e na praia de Sibaúma, no município de Tibau do Sul.

O Campus Parelhas, por sua vez, realizou um evento voltado para a representatividade negra. O momento abordou apresentações e exposições culturais, além de uma sessão de cinema promovida pelo Cine Mandacaru. No Campus Ceará-Mirim, aconteceram rodas de conversas, apresentações de danças, reuniões pedagógicas e a exibição do filme "Get Out", que retrata o preconceito sofrido por um jovem negro ao conhecer a família da namorada. 

No Campus Natal-Zona Leste, o Neabi promoveu o I Encontro Estadual para o Fortalecimento da Capoeira como Cultura e Desporto Brasileiro, organizado pela Salvaguarda da Capoeira no RN. Já o Campus Natal-Central, por meio do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Educação, Gênero e Diversidade (Negêdi), do Diretório Acadêmico Carlos Marighella, do Grêmio Estudantil Djalma Maranhão e do GT Identidade de Gênero e Orientação Sexual, Raça, Etnia e Orientação Sexual do Sinasefe Natal, realizou o ‘Novembro Negro do IFRN Cnat’, abordando o tema “Resistir e lutar é preciso”.

Reflexão

O Dia da Consciência Negra é visto como um momento de conscientização e reflexão sobre a importância da cultura e do povo africano na formação da cultura nacional. Para Nilton Xavier, as atividades realizadas nessa data “são propícias para despertar reflexões e apresentar as ações desenvolvidas pelo Núcleo, além de oportunizar espaços de diálogos entre a comunidade escolar e reforçar as contribuições das comunidades quilombolas e indígenas integrantes e parceiras dos núcleos locais”. Já João Marcelo, quilombola e estudante do Campus São Paulo do Potengi do IFRN, ressalta que "o dia relembra uma época de violência do passado brasileiro e serve como um lembrete sobre o que não devemos fazer”. João destacou ainda que esse momento “reaviva o valor do povo negro e toda a cultura afro-brasileira”.

A data - 20 de novembro - faz referência ao dia da morte de Zumbi dos Palmares, líder do Quilombo de Palmares, que lutou para criar outras formas de vida aos africanos trazidos ao Brasil que conseguiam fugir da escravidão. A importância da data está no reconhecimento dos descendentes africanos na constituição e na construção da sociedade brasileira, mas principalmente na valorização de sua força, identidade e história.

Sobre o Neabi

O Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas é um núcleo voltado para o desenvolvimento de ações sistêmicas de ensino, pesquisa e extensão que promovam a efetivação das leis 10. 639/2003 e 11.645/2008, a fim de produzir e divulgar conhecimentos sobre as relações étnico raciais. “As ações estão direcionadas para a comunidade interna (alunos/as da Educação Básica, profissional, e superior). O Neabi é formado por representantes dos alunos, professores, técnico-administrativos e equipe técnica-pedagógica e é responsável por fomentar e promover ações de natureza sistêmica, no âmbito do  Ensino, Pesquisa e Extensão, presente, hoje, em todos os campi do IFRN”, explicou Nilton. 

Ações do documento

Página em carregamento