Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Centro de Tecnologia do Queijo aperfeiçoa produção de alimentos na região Seridó
UNIDADES AGRÍCOLAS/INDUSTRIAIS

Centro de Tecnologia do Queijo aperfeiçoa produção de alimentos na região Seridó

22/03/2018 - O Instituto Federal do Rio Grande do Norte em Currais Novos funciona desde 2006.

Centro de Tecnologia do Queijo aperfeiçoa produção de alimentos na região Seridó

Na unidade, há produção diversificada de produtos.

Por Cíntia Oliveira 

Emilly Lorranny Alves Fonseca é graduanda do Curso Superior em Tecnologia de Alimentos no IFRN Currais Novos e estagiária do Centro de Tecnologia do Queijo. Ela auxilia nos serviços relacionados ao processamento de alimentos servidos no âmbito da merenda escolar e também em outras atividades acadêmicas executadas na Unidade.

Para realizar o que lhe compete, ela usufrui da ampla infraestrutura da unidade industrial-escola do campus Currais Novos, que é composta por uma unidade de beneficiamento de leite, preparada para produção de derivados de leite, como queijos, iogurtes e doces, acompanhada de laboratório de análises, um sistema de refrigeração (banco de gelo) e geração de vapor (caldeira a gás).

Dando continuidade à série de reportagens sobre as unidades agrícolas/industriais-escola, falaremos sobre o Centro de Tecnologia do Queijo, Unidade Industrial-Escola pertencente ao Campus Currais Novos.

Integrante da I Fase do Plano de Expansão da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica, implementado pelo Governo Federal no período de 2003 a 2006, o Campus do IFRN Currais Novos funciona desde 2006.

No contexto econômico e social, o Centro de Tecnologia do Queijo fornece cursos de aperfeiçoamento para a comunidade externa e acadêmica, por meio de ações desenvolvidas no âmbito dos programas Mulheres Mil e Pronatec, além de cursos de capacitação ofertados para os produtores locais, a partir de parcerias com a Emater e Sebrae. Uma parte da produção da unidade destina-se a demandas assistenciais como a Casa do Pobre, APAE, Hemonorte e outras instituições públicas locais, que frequentemente demandam do IFRN Currais Novos a doação de produtos para auxiliar no complemento alimentar de seus usuários. "Assim, cumpre-se o papel social, quanto instituição de ensino, pesquisa e extensão", explicou o diretor-geral do Campus, Andreilson Oliveira.

A aluna Emilly acredita que a unidade “é um ambiente que possibilita o desenvolvimento técnico profissionalizante dos alunos, atuando na capacitação profissional, principalmente na área de Alimentos”. Para isso, são desenvolvidas atividades de ensino, pesquisa e extensão na unidade. De ensino, quanto à execução, por parte dos docentes de técnicos, de aulas práticas para os alunos. De pesquisa, por meio da orientação e execução de trabalhos de conclusão de cursos de alunos. E de extensão, por meio do desenvolvimento de projetos de boas práticas em queijeiras artesanais e cursos do programa Mulheres Mil, com a capacitação de pequenos produtores de derivados da região do Seridó e do Trairi.

No âmbito acadêmico, a unidade possibilita ao estudante a vivência prática das teorias aprendidas ao longo de sua vida escolar, permitindo aos docentes a execução de aulas práticas com os alunos de todos os níveis de ensino (superior e médio técnico) da área de alimentos. “A Unidade Industrial Escola permite o aluno dos nossos cursos técnicos e superiores a concepção dos conceitos e conteúdos teóricos de forma concreta além de promover a vivência prática piloto industrial”, afirmou a aluna.

Na unidade, há uma produção diversificada de produtos, sendo a maior parte da produção destinada a atender a merenda escolar dos campi Currais Novos, Parelhas e Ipanguaçu, por meio do setor de nutrição da Coordenação de Assistência Estudantil/CN, responsável pela elaboração do cardápio nutricional, inserindo esses produtos na merenda escolar dos discentes.

“A participação na Usina-Escola é de extrema importância para mim, nela foi possível aplicar os conhecimentos adquiridos em sala de aula, propiciando exercitar trabalhos em equipe e a troca de conhecimentos profissionais relevantes na área de leite e seus derivados, segurança alimentar, higiene industrial, microbiologia de alimentos e outros. Dessa forma, a Unidade me proporcionou desfrutar de experiências que me preparam a cada dia para o mundo do trabalho”, relatou Emilly.

Leonardo Marciano, diretor da Unidade, destacou: “o maior desafio deverá ser manter a unidade em funcionamento, frente às adversidades orçamentárias que a Administração Pública vem sofrendo nos últimos tempos. Para o ano corrente, esperamos manter nossa capacidade de atuação no fornecimento de derivados de leite para merenda escolar de nosso campus e do campus avançado de Parelhas, capacitação de alunos em suas atividades práticas e nas atividades docentes, como também atuar na capacitação de produtores por meio de projetos de pesquisa e extensão.

Equipe

Leonardo de Almeida Marciano, diretor;

Aquileine Mainomy Benicio de Carvalho, engenheira;

Felipe Gustavo Faustino Santos de Araujo, técnico em alimentos e laticínios;

Ramon Araujo dos Santos, técnico em alimentos e laticínios;

Bianca Maria da Silva, estagiária;

Emilly Lorranny Alves Fonseca, estagiária;

João Pedro Muniz da Silva, bolsista;

Ricely de Lima Rodrigues, bolsista;

Jerffson Amaral de Moura, prestador de serviço.

Ações do documento

Página em carregamento