Você está aqui: Página Inicial / Campi / São Paulo do Potengi / Notícias / Estudantes desenvolvem pesquisa para geração de energia solar a baixo custo
Tecnologia

Estudantes desenvolvem pesquisa para geração de energia solar a baixo custo

16/06/2017 - Projeto usa embalagens de leite longa vida

Estudantes desenvolvem pesquisa para geração de energia solar a baixo custo

Estudantes Vinício (esq.) e Joziano (dir.) ao lado do professor Edson Martins, que faz a orientação da pesquisa

Gerar energia solar com baixo custo, reutilizando material usado para caixas de bebida. Essa é a ideia dos estudantes Joziano Firmino, 18 anos, e Vinício Gabriel, 17 anos, dos cursos Subsequente em Edificações e Integrado de Meio Ambiente, respectivamente, do Campus São Paulo do Potengi do IFRN, orientados pelo professor Edson Martins.

O projeto, que começou a ser desenvolvido há três meses, estuda o uso do material utilizado em caixas de leite longa vida, por exemplo. "O benefício é duplo quando pensamos na sustentabilidade: primeiro, porque é energia limpa e renovável e, segundo, por que é reutilizado um material que não é reciclável e que demora muitos anos para se degradar no meio ambiente", ressaltou o Estudante Vinício Gabriel.

"Decidimos utilizar embalagens cartonadas, compostas por papel-cartão, polietinelo e alumínio. Nessas embalagens, usadas em caixas de leite, por por exemplo,. já temos um condutor de eletricidade e um isolante, entretanto, estudaremos todas as possibilidades possíveis desse material ser utilizado para o desenvolvimento da nossa célula fotovoltaica em baixo custo, já que o mesmo não contém coleta seletiva e não é reciclável, apresentando assim um grande risco ao meio ambiente", destacou o estudante Joziano Firmino.

Segundo Joziano, o objetivo é conseguir fazer a tecnologia chegar à população de baixa renda. "A geração de energia fotovoltaica geralmente é cara e nem todo mundo pode ter acesso a esse tipo de tecnologia. Neste projeto, ela pode ser gerada a baixo custo. Nosso objetivo é fazer com que ela chegue principalmente às pessoas de baixa renda", afirmou.

No primeiro protótipo desenvolvido pelos estudantes foi utilizado o LED de auto brilho, já que o ele executa o efeito fotovoltaico. No entanto, o LED não apresentou tanta eficiência devido a criação de uma barreira de potencial na zona de depleção. "Maneiras estão sendo estudas para quebrar essa barreira e tornar a célula fotovoltaica de LED bem eficiente", ressalta resumo sobre o projeto, escrito pelos estudantes. "

Ações do documento

Página em carregamento