Você está aqui: Página Inicial / Campi / Santa Cruz / Licenciatura em Física / Contexto Educaional Local/Regional

Contexto Educaional Local/Regional

O IFRN possui 21 campi distribuídos no Rio Grande do Norte (RN). O Campus Santa Cruz faz parte da segunda fase do Plano de Expansão da Rede Federal de Educação Tecnológica do Brasil, implementada a partir de 2005, juntamente com outros 5 Campus inaugurados em agosto de 2009, nesse Estado. A Licenciatura em Física no Campus Santa Cruz foi autorizada ainda em 2009, considerando a necessidade de formação de professores nessa área, pois essa não é oferecida por nenhuma instituição de ensino superior dessa região do RN.

O município de Santa Cruz localiza-se na Microrregião da Borborema Potiguar, formada por 16 municípios e é considerado polo dessa microrregião. A área territorial de Santa Cruz é de 624,356 km2, correspondendo a 1,18% do território estadual e sua densidade demográfica é 57,33 hab/km2. O Censo Demográfico de 2010 informa uma população total de 35.797 habitantes (a estimativa da população em 2017, de acordo com o IBGE, é de 39.667 pessoas), dos quais 30.499 (85,2%) residem em área urbana e 5.298 (14,8%) em área rural (IBGE, 2010) residentes em Santa Cruz. Quanto aos aspectos econômicos, há predominância de atividades ligadas ao setor de comércio e serviços, correspondendo a 92,46% do Produto Interno Bruto (PIB), seguidos do segmento de Indústria, com 5,7% de participação e Agropercuária, correspondendo a 1,84% do PIB (IBGE, 2009).

Em 2015 a Secretaria de Educação do estado do Rio Grande do Norte afirmava que o quadro de professores da rede estadual não consegue suprir a necessidade de aulas nas 657 escolas estaduais. O déficit na carga horária chegava a 20% no geral e era mais crítico nas disciplinas de Ciências da Natureza e Matemática. O Estado potiguar ainda carece de cuidados com a questão da escolaridade da população. O anuário da educação brasileira aponta que o RN está na 18ª posição no quesito “escolaridade média da população de 18 a 29 anos” e, além disso, os indicadores mostravam que apenas 53,4% de jovens com 19 anos haviam concluído o Ensino Médio no RN. Outro fator importante que merece destaque é a distorção idade-série, informada pela Secretaria de Educação do Estado através do diagnóstico da educação básica e superior (2009-2014). O referido documento aponta que no ano de 2013 a distorção idade-série na rede estadual, dependência administrativa responsável pelo ensino médio, era de 50,6%.

 

Os indicadores também mostram que o estado do Rio Grande do Norte ainda precisa evoluir na questão da formação de professores. Segundo o anuário brasileiro da educação, apenas 74,6% dos professores que atuam na educação básica possuem nível superior e 70,9% com licenciatura. O mesmo documento informa que na região Nordeste, 40% dos professores da educação básica não possuem formação superior compatível com as disciplinas que lecionam.

 

O IFRN, observando essa demanda e diante das dificuldades enfrentadas pelos alunos egressos do Ensino Médio no RN, devido às deficiências do ensino público, já atestadas pelos indicadores nacionais, nas avaliações da educação básica, considerou sua capacidade instalada e seu pessoal qualificado e estruturou cursos de licenciatura em seus campi. Aliando assim, suas possibilidades para contribuir com a melhoria da educação à relevância dos conhecimentos oriundos da Física para a educação profissional e o desenvolvimento científico e tecnológico da região e do país, tendo em vista que o eixo tecnológico do Campus Santa Cruz é em gestão de negócios e processos industriais. E ainda que, o ensino de Física no Brasil e, em particular, no RN, vem sofrendo ao longo de sua existência os impasses e desafios gerados pela falta de condições materiais, pedagógicas e de formação qualificada para esse ensino.

As políticas do IFRN voltadas para o ensino de Física no âmbito do Curso de Licenciatura tem em sua estruturação a preocupação com as condições adequadas de ensino e aprendizagem e a qualificação dos recursos humanos envolvidos em sua execução, apoiadas no Plano de Desenvolvimento Institucional e no Projeto Pedagógico do Curso. Nesse sentido, essas políticas tem buscado implementar um caráter inovador, articulando as relações entre sociedade, estado, tecnologia, trabalho, cultura e educação, bem como em concepções de ser humano, educação e currículo. Sendo assim, nesses 8 anos destacamos: a) os esforços para a aquisição e ampliação de 3 laboratórios de Física (Mecânica e Fluídos; Termodinâmica e Ondas, Eletromagnetismo, Óptica e Física Moderna), que favorecem o ensino e a pesquisa, bem como a formação pedagógica em bases sólidas pela prática experimental no ensino de Física; b) a articulação com as Escolas de Educação Básica da Microrregião da Borborema Potiguar, nas quais a presença do Curso se dá através de convênios para execução de projetos e programas financiados tanto pelo IFRN, como pela CAPES, entre os quais destacamos: O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) com a participação de 30 alunos bolsistas do Curso,  a participação de professores e alunos nas Escolas Campo de Estágio pela vinculação do ensino, da pesquisa e da extensão em pelo menos 3 dos estágios docentes supervisionados; a ampliação do acervo bibliográfico, particularmente para aquelas disciplinas que compõem o currículo do curso.

Quanto à Pesquisa no âmbito do Curso destacamos: A institucionalização do Grupo de Pesquisa Educação, Ciência, Tecnologia e Trabalho visando intensificar entre outros objetivos, as ações de pesquisa ligadas ao Ensino de Física; a elaboração de um programa de iniciação científica com o foco na Pesquisa em Ensino de Física com a participação de professores e alunos; a participação de professores e alunos com apresentação de trabalhos em eventos como: o Congresso Nacional de Educação (CONEDU); o Congresso Internacional das Licenciaturas (COINTER) e a Exposição científica, Tecnológica e Cultural (EXPOTEC) do IFRN.

As atividades de extensão tem sido desenvolvidas através de projetos voltados para o ensino de uma forma geral e mais especificamente o ensino de Física. Estes projetos contam com a participação de alunos e professores em cursos e atividades que chegam até a comunidade externa ao IFRN.

Ações do documento

Página em carregamento