Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / "Trabalho e participação são as palavras de ordem para o Ensino em 2019"
Pró-Reitoria de Ensino

"Trabalho e participação são as palavras de ordem para o Ensino em 2019"

29/01/2019 - Em entrevista, pró-reitor de ensino fala sobre objetivos e meta para este ano

"Trabalho e participação são as palavras de ordem para o Ensino em 2019"

Agamenon Tavares, Pró-Reitor de Ensino do IFRN

“Após um período de reorganização interna, durante as férias acadêmicas, a Pró-Reitoria de Ensino (Proen) do IFRN traz a reafirmação de suas práticas, através do trabalho de seus componentes”. Assim Agamenon Tavares, pró-reitor de Ensino do Instituto Federal do Rio Grande do Norte resumiu o plano de ação para 2019. Segundo ele, a expectativa é de atingir muitos resultados: “como tem acontecido nos últimos anos, como em 2018, quando conseguimos aumentar nosso Índice Geral de Cursos (IGC), do Ministério de Educação e Cultura (MEC), atingindo o conceito 4, que, para nós, é motivo de muita comemoração”, afirmou.

Para saber mais sobre esse plano de ação da Proen, a equipe da Assessoria de Comunicação da Reitoria do IFRN conversou com o pró-reitor:

Asce — Quais são as atividades planejadas para 2019?

Agamenon — Na agenda da Proen estão marcados os Encontros Pedagógicos, Seminário da Equipe Técnico-Pedagógica (Etep), Encontro dos Bibliotecários, Encontros dos Núcleos Centrais Estruturantes (NCE), dos Núcleos Docentes Estruturantes e de coordenadores. Além desses, promoveremos seminários, fóruns de validação e fóruns de construção de novos Projetos Pedagógicos de Curso (PPCs) para os nossos cursos de Superiores de Tecnologia (CSTs), de Ensino Médio Integrado, Subsequente, e Ensino Médio integrado na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (EJA)”.

No tocante aos PPCs, o processo terá início em março, retomando o Seminário de Ensino Médio Integrado, que realizamos ainda em novembro de 2018. Também em março realizaremos o Fórum de Validação das Novas Diretrizes, objetivando a revisão dos projetos pedagógicos de curso. Numa discussão que deve envolver a comunidade – e que para nós é extremamente importante – temos pela frente uma tarefa árdua, em que todas essas atividades deverão consumir os próximos seis, talvez até sete meses. 

Asce — E sobre inovações, o que alunos e servidores poderão esperar?

Agamenon — Nós vamos proporcionar, a cada uma de nossas 25 Diretorias Acadêmicas, a possibilidade de contar com dois projetos de ensino, cada um deles com dois estudantes e um professor. Assim, as atividades de ensino desenvolvidas pelos docentes contarão em sua carga horária, e os alunos envolvidos receberão bolsa por um período de até sete meses. A previsão de lançamento do edital é março ou abril. Essa ação, além de interessante, atende uma demanda que a comunidade já exigia há muito tempo.

Outro objetivo da Pró-Reitoria é reforçar o Programa Nacional de Integração da Educação Básica com a Educação Profissional na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (ProEJA), na Instituição. Para isso, os campi já estão discutindo a retomada nos seus Projetos de Desenvolvimento Institucional (PDIs), no que diz respeito à projeção de ofertas. O PDI é mais uma ação que conta com a Proen, juntamente à nossa Diretoria de Avaliação e Regulação. 

Asce — Para finalizar, pode falar sobre os novos campi do Instituto?

Agamenon —  Claro! Bom, com a implementação do Campus Jucurutu, a Proen está trabalhando em sua projeção de ofertas, junto aos seus dois diretores e já sabemos que vamos começar com os cursos Subsequentes e cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC). Já a reestruturação do Campus Natal-Zona Leste (conhecido como Campus EaD), após sua transformação em Campus Avançado, requer que a Pró-Reitoria avalie a maneira de proceder para, mantendo o que já tem, se adeque às mudanças necessárias à nova tipificação daquela unidade.

Quero aproveitar o espaço para fazer um chamamento: venham conosco, vamos trabalhar juntos, ratificar a nossa identidade, afinal uma Instituição do porte da nossa não se faz sem participação, interlocução e trabalho. O IFRN é uma referência nacional, dentro de uma rede que também é referência, o que só se alcança com equilíbrio, maturidade, planejamento e participação. Assim, convido a todos para discutirmos, debatermos e avançarmos juntos na construção de uma realidade ainda melhor para o estudante do IFRN, o que é sempre o nosso mais importante objetivo.

Ações do documento

Página em carregamento