Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Servidores e estudantes compartilham suas trajetórias de vida
Aniversário

Servidores e estudantes compartilham suas trajetórias de vida

22/09/2017 - Ação nas redes sociais reforça a relação com a história da Instituição, que completa 108 anos

Servidores e estudantes compartilham suas trajetórias de vida
Com o objetivo de lembrar a comemoração dos 108 anos do IFRN, foram compartilhadas, nas redes sociais da Instituição, histórias de estudantes e servidores. Com a hashtag #EuSouIFRN, as trajetórias reforçam as relações entre as histórias individuais e a do Instituto. Confira as que foram publicadas na fan page IFRN Oficial:
 
Jozinaldo da Silva (Aranha - porteiro, Campus Currais Novos)
 
"Eu saí de Currais Novos aos 19 anos de idade para Natal, trazido por Francisco de Assis, em busca de emprego. Em 1995, comecei a prestar serviços na ETFRN como ASG até o mês de março de 2008. Fiz parte do Coral Professora Lourdes Guilherme, fui aluno do curso técnico em Mecânica, mas não cheguei a concluir o curso. Atualmente trabalho como porteiro no IFRN Campus Currais Novos. Eu aprendi a fazer Arte em Alto Relevo na prata boliviana (Latonagem), quando trabalhava no CEFET-RN. Observando o servidor Francisco Callado, enquanto limpava a sua sala, pouco a pouco, fui aprendendo aquela arte e quando tinha alguma dúvida, perguntava ao mestre. 

O professor José Arnóbio (atual diretor do Campus Central) foi o meu primeiro treinador de atletismo. Ele e José Eugênio, ex-aluno do CEFET que treinava algumas crianças e adolescentes num projeto social, foram fundamentais para que eu pudesse alcançar o lugar mais alto do pódio em algumas corridas de rua. Atualmente estou treinando com o professor Hipolito, em Currais Novos, mas jamais esquecerei daqueles que deram o ponta pé inicial nessa trajetória de muitas conquistas. Durante esses quase 23 anos de serviços prestados à ETFRN, CEFET e ao IFRN, de muito amor e dedicação, só tenho a agradecer a alunos, servidores e terceirizados, que também fizeram parte dessa minha trajetória."

Patrícia Amaral (professora, Campus Natal-Cidade Alta)

"Trabalhar no IFRN foi uma opção. Quando passei no concurso também fui aprovada em outro local, mas escolhi o IFRN porque o meu vínculo já existia e era forte. Isso porque sou a quarta geração da minha família que tem envolvimento com o Instituto: meu bisavô foi porteiro, minha vó secretária, o meu pai professor e eu já fui aluna. Fui criada dentro da antiga ETFRN, lembro de quando meu pai ia dar aula e me levava com ele, eu convivia com os alunos, o ajudava também a corrigir as provas... Acho que foi meio assim que me tornei professora sem saber. Eu amo o meu trabalho, sou muito feliz e realizada como professora e tenho muito orgulho de poder contribuir para que outras pessoas tenham a formação que eu tive."

Leandro Dantas (técnico em Alimentos - Campus Currais Novos)

"Meu desejo de ser aluno do IFRN era muito grande. Natural de Cruzeta, na região do Seridó potiguar e de uma família humilde, eu sabia que era por meio de uma educação de qualidade que poderia transformar minha vida.  Fui aluno da segunda turma do curso técnico integrado em Alimentos do IFRN Campus Currais Novos, ainda na época UNED/CN do CEFET. Tive a oportunidade de ser aluno dessa instituição na época da transição para IFRN, houve até seleção para embaixadores do Centenário e lá estava eu, como embaixador rsrsrs. 

Foram muitas as experiências que vivenciei durante 4 anos como aluno. Entretanto, a oportunidade de fazer iniciação científica foi a primordial, abriu horizontes em minha vida inimagináveis. Poder participar de congressos científicos, apresentar trabalhos e estes serem premiados, ser forjado para enfrentar todas as nuances da vida acadêmica e claro, profissional, são partes marcantes de minha trajetória. Como egresso do IFRN, mediante a experiência adquirida e já cursando Farmácia na UFRN, tive a oportunidade de participar de um projeto de conservação ambiental voltado às plantas medicinais e alimentares da Caatinga, financiado pelo Ministério do Meio ambiente por meio da ONG Fitovida/RN. Este projeto foi mais uma etapa importante da minha formação que me permitiu ainda como graduando participar de comitê no Ministério da Saúde que geria toda uma política pública voltada às plantas medicinais e fitoterápicos.

Atualmente tenho a certeza de muitos caminhos a trilhar em minha vida acadêmica e profissional, todavia, o conhecimento, as vivências e todo o alicerce que o IFRN promoveu na minha formação e de tantos outros alunos foi e continuará sendo o alicerce para o nosso desenvolvimento."

Arthur Salvação (técnico em Turismo - Campus Natal-Central | estagiário de Jornalismo - Reitoria)

"Lembro de, ainda criança, passar em frente ao Instituto e dizer para minha mãe: 'ainda vou estudar aqui! Ainda vou vestir essa farda'. Fiz o Pró-Cefet e ingressei na instituição em 2005, no primeiro ano em que a escola voltou a oferecer o ensino médio integrado ao técnico. Passei em 6º lugar para o curso de Turismo, mas, devido a alguns atropelos de ordem pessoal, acabei só concluindo o curso em 2011. Agora, em 2017, estou atuando como estagiário na Assessoria de Comunicação da Reitoria do IFRN.

No CEFET/IFRN, eu adquiri o conhecimento necessário para ingressar, sem dificuldade, em uma universidade pública, mas também foi aqui que eu aprendi sobre a vida, escolhas, responsabilidade, respeito, diversidade e amizade. Passei por diversas turmas do curso e, em cada uma delas, conquistei pessoas especiais que contribuíram para que eu me tornasse quem sou hoje. Realizei o meu sonho de criança, vesti a farda que tanto admirava - ainda guardo a bata, inclusive, rs - mas, acima de tudo, eu me tornei alguém melhor. Tudo isso me faz dizer, com orgulho, #EuSouIFRN."

Ações do documento

Página em carregamento