Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Professor do IFRN promove visita virtual a laboratório que desenvolve acelerador de partículas
CAMPUS PARTY

Professor do IFRN promove visita virtual a laboratório que desenvolve acelerador de partículas

19/08/2019 - Amadeu Albino realizou videoconferência com pesquisador brasileiro no Cern

Professor do IFRN promove visita virtual a laboratório que desenvolve acelerador de partículas

Amadeus Albino em apresentação na Campus Party Natal

No último domingo (18), durante a segunda edição da Campus Party Natal, o professor de física do Campus Natal-Central do IFRN, Amadeu Albino, ministrou a conferência Visita Virtual ao experimento Atlas - LHC/Cern, no palco STEAM do evento. A Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (Cern), fica em Genebra, na Suíça. Amadeu fez, em 2012, uma visita à Escola de Física da Organização. Agora ele é considerado um de seus embaixadores para fazer divulgação científica, com a proposta de caçar talentos de todas as áreas a fim de fazer pesquisas no Cern. A palestra contou com videoconferência com o pesquisador Denis Damazio, que está lotado no Laboratório Nacional de Brookhaven, na Suíça. 

Experimento Atlas

O Atlas é um detector do acelerador principal do complexo de aceleradores do Cern: “ele joga feixes de prótons que vão colidir em determinados pontos específicos, e, nestes pontos, tem quatro detectores, o CMS, o LHC (Large Hadron Collider, o maior acelerador de partículas da atualidade), o Alice e o Atlas, que é um gigante. Ele evita resultados das colisões nesses feixes de prótons”, explicou. O acelerador tem 46 metros de comprimento, 25 metros de altura e inúmeros sensores, por onde passa radiação. Dependendo de suas características (com relação à trajetória, velocidade e outras grandezas de física básica, como concentração da carga elétrica, do momento linear e conservação da massa), é possível interpretar de qual tipo de partícula se trata. 

“Em função de milhões de resultados em cada ciclo, leva-se em consideração alguns dados específicos. Por se trabalhar com computadores muito avançados de uma grande rede de computadores espalhados pelo mundo, ele registra esses dados e faz um levantamento do que é mais interessante ou não, o que é resultado antigo e o que não é, e analisa-se a possibilidade de detectar novas partículas em função disso”, contou. 

Perspectivas de contato para estudantes do IFRN

“Os estudantes do IFRN podem entrar em contato com o Atlas também por meio das visitas virtuais”, afirmou. Coordenado por Amadeu, o projeto de extensão Inclusão Científica: do conhecimento à divulgação de física de partículas, no Campus Natal-Central, é uma parceria com o Cern, com o Laboratório de Experimentação em Física de Partícula, em Portugal, com o Instituto Internacional de Física de Natal, com a Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN): “a gente promove eventos que possibilitam aos alunos e alunas a entrada no mundo da física de partículas”, concluiu.

 

Ações do documento

Página em carregamento