Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação do IFRN trabalha com macro-processos em 2019
PROPI

Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação do IFRN trabalha com macro-processos em 2019

01/02/2019 - Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Empreendedorismo Inovador e Publicações Acadêmico-Científicas são o foco do novo ano

Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação do IFRN trabalha com macro-processos em 2019

Márcio Azevêdo, pró-reitor de Pesquisa e Inovação do IFRN

“É importante dizer que nós seguimos o que está previsto no Planejamento da Pró-Reitoria de Pesquisa (Propi), com base naquilo que é estabelecido e planejado pelo próprio Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI)”, adianta o professor Márcio Azevedo, pró-reitor de Pesquisa e Inovação do Instituto, quando perguntado sobre as ações do setor em 2019. “Na prática, nós dividimos as nossas ações e metas em seis dimensões, relacionadas a projetos de pesquisa inovação, ao empreendedorismo, à inovação tecnológica, à pós-graduação, aos eventos acadêmico-científicos e tecnológicos, e, também, trabalhamos com parcerias internacionais”, comenta. Em entrevista para a Assessoria de Comunicação Social e Eventos (Asce) da Reitoria, o professor contou sobre as diretrizes, metas e inovações que o setor traz para este ano. Confira:

Asce — O que pode se esperar quanto ao eixo das Pós-Graduações?

Márcio Azevedo — Em 2019, a prioridade é fortalecer o trabalho que já existe, dando atenção especial ao Doutorado, que foi aprovado em 2018. E, ainda com relação à Pós-Graduação, fecharmos o ciclo de acompanhamento e avaliação daqueles doutorandos e mestrandos que estão inseridos na Universidade do Minho, além de priorizar a abertura de novas vagas para o Doutorado. Esse trabalho com a Universidade do Minho, em Portugal, é feito em parceria, integrado à Diretoria de Gestão de Pessoas (DIGPE).  Ainda falando de Pós-Graduação e de internacionalização, teremos um novo convênio, que está sendo estabelecido com a Universidade de Coimbra, em Portugal. Nele, o nosso foco será uma pesquisa inédita, a ser desenvolvida na área de Segurança de Dados, e é a primeira pesquisa internacionalizada que nós teremos. Ela será coordenada por pesquisadores da área de Tecnologia da Informação, tendo como responsável o nosso diretor de Gestão da Tecnologia da Informação, o professor André Gustavo. Será uma pesquisa que também integra a Propi e a Diretoria de Gestão de Tecnologia da Informação (DIGTI), e, associada a essa pesquisa, nós teremos a oferta de vagas para doutorado em Engenharia da Informática. No mesmo convênio com a Universidade, teremos a oportunidade de ofertar vagas, também, para Doutorado na área do Direito.

Asce — E quanto à questão da Inovação Tecnológica? 

Márcio Azevedo  Nós daremos prioridade à implantação do Centro de Tecnologia Mineral do IFRN (CT Mineral), que localiza-se em Currais Novos. Essa será a nossa grande prioridade e, até a metade do ano, estaremos muito envolvidos com esse projeto, com a sua implementação e inauguração. Nós teremos, também, um Edital de Inovação Tecnológica inédito, com base na nova regulamentação de bolsas, para, assim, fortalecer o trabalho que vem sendo feito com as nossas revistas científicas.

Asce — Como será a dinâmica do empreendedorismo no âmbito do IFRN neste ano?

Márcio Azevedo  Na área do empreendedorismo, em particular, buscaremos fortalecer o trabalho das incubadoras tecnológicas. Em 2019 elas trazem um marco inovador: haverá um sistema integrado de gestão das incubadoras, a partir da experiência, já bastante consolidada, da Incubadora Tecnológica do Campus Natal-Central.

Asce — Para finalizar, o que os alunos e servidores do Instituto podem esperar dos eventos?

Márcio Azevedo  Com relação aos eventos acadêmico-científicos, e as publicações acadêmico-científicas, nós vamos fortalecer todos os eventos internacionais que acontecerão durante o ano no IFRN. Gostaria de falar ainda sobre a Editora IFRN. Fechamos em 2018 um período de reorganização dos processos, fluxos e da própria gestão da Editora. Este ano vamos inaugurar um novo passo da Editora, que é, exatamente, fazer valer a função social do IFRN. Agora, além de publicar livros, apoiar os periódicos e dar apoio aos eventos acadêmico-científicos, nós também desenvolveremos um projeto inédito, concentrado no Campus Natal-Cidade Alta, trabalhando e dando visibilidade aos sebos da cidade do Natal, a fim de preservar a memória, e também estabelecer um circuito espacial-turístico. O intuito é o de que, por meio da Editora, e, a partir do Campus Natal-Cidade Alta, a comunidade saiba que existem aqueles sebos, e que eles são importantes, do ponto de vista cultural, intelectual e patrimonial. A Editora IFRN também vai dar uma atenção especial à implementação do Conselho de Ética em Pesquisa com Seres Humanos. 

Ações do documento

Página em carregamento