Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Índia supera dificuldades para cursar graduação
Mulheres Mil

Índia supera dificuldades para cursar graduação

08/03/2018 - Meyriane Costa faz Licenciatura em Educação no Campo em Canguaretama

Índia supera dificuldades para cursar graduação

Meyriane é da Tribo Katu, de Goianinha

A indígena da comunidade de Katu dos Eleotérios – Goianinha (RN) - Meyriane Costa de Oliveira, 38 anos, sabia que realizar o sonho de cursar uma graduação não seria fácil, mas resolveu enfrentar os desafios: de segunda à sexta-feira, à noite, atravessa um rio e pega dois ônibus para chegar ao campus Canguaretama do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN). Aprovada no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2017, ela é estudante do curso de licenciatura em Educação no Campo.

Primeira indígena de Katu a cursar graduação, Meyriane despertou o desejo de estar dentro da sala de aula quando foi selecionada para ingressar no programa Mulheres Mil. “Em 2015, o IFRN procurou a nossa liderança e ofereceu o programa às mulheres que mais estavam precisando de ajuda na época. Eu e mais três fomos selecionadas para cursar Agricultura Familiar. E o curso superou minhas expectativas: mostrou que tínhamos que amar uns aos outros e também que era possível vencermos várias etapas na vida.”

Ao lado das outras três mulheres da comunidade selecionadas para o programa, Meyriane passou seis meses fazendo um percurso tão intenso quanto o de atualmente: três vezes por semana atravessava o Rio Catu, pegava ônibus e depois caminhava por 30 minutos sob o sol até chegar ao destino. Ela afirmou que dar conta do trajeto não é nada fácil, principalmente em época de chuva. No entanto, isso nunca foi um empecilho para realizar os sonhos e planejar o futuro.

“Estou me sentindo muito realizada. Pretendo cursar mestrado quando terminar a graduação. E eu tenho uma real preocupação com a educação no campo. Meus pais são meus exemplos. Os dois são pescadores e durante minha vida acompanhei as dificuldades deles até conseguirem a aposentadoria. Antes mesmo de ingressar no Mulheres Mil e na graduação, eu já estava confiante. Mas, há três anos, quando entrei no programa, me senti empoderada mesmo não acreditando que iria conseguir”, disse.

Desafios das mulheres indígenas – Questionada se o incentivo à educação ainda está entre os principais desafios enfrentados pelas mulheres indígenas, a estudante não hesitou. “Existe um fator que pesa muito: a autoestima. Mas eu percebo que o Mulheres Mil proporciona maior interesse às mulheres que fazem parte do programa, elas já estão de olho na graduação. Dá um despertar, atrai e dá esperança para construir um novo caminho.”

Meyriane ainda lembrou que, para assegurar os direitos das índias, é preciso garantir a demarcação territorial. “Como vamos garantir alimentação e uma vida social para a nossa comunidade se não existir esse limite? Vale lembrar que a mulher tem papel importante nesse contexto, porque passa mais tempo com os filhos, então precisamos levar a educação para eles. Para isso, é necessário termos esse espaço.”

IFRN – O Instituto Federal do Rio Grande do Norte acompanha a história de Meyriane desde o momento que ingressou na instituição por meio do Mulheres Mil. Sobre o programa, o reitor do IFRN, Wyllys Farkatt, fez o seguinte posicionamento: “junto às comunidades indígenas e quilombolas existentes no Rio Grande do Norte, o programa Mulheres Mil reforça o poder da identidade das mulheres e promove nelas o desejo por lutar, através da educação, por mais espaço na sociedade. Como aconteceu com Meyriane, elas são incentivadas a buscar outras oportunidades de qualificação. Isso também é feito com o apoio do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas (NEABI), criado no IFRN para ter um olhar especial sobre essas comunidades que, como as mulheres, ainda se encontram em processo de luta por mais direitos, respeito e reconhecimento.”

Mulheres Mil – O projeto foi criado em 2004 pelo Colleges and Institutes Canada (CICan – sigla em inglês), à época Associação dos Colleges Comunitários Canadenses (ACCC), em parceria com 12 institutos federais brasileiros, das regiões Norte e Nordeste. A iniciativa mobilizou instituições dos dois países durante a fase piloto, entre elas o Conif, o Ministério da Educação (MEC), a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e a Agência Canadense para o Desenvolvimento Internacional. Em 2011, o MEC instituiu o programa nacionalmente, tendo a Rede Federal como referência no país.

Baseado nos eixos educação, cidadania e desenvolvimento sustentável, o Mulheres Mil tem como principais segmentos: possibilitar o acesso à formação; promover a elevação de escolaridade; contribuir para a redução de desigualdade sociais e econômicas de mulheres; promover a inclusão social; defender a igualdade de gênero; combater a violência contra a mulher.

Fonte:

Marina Luísa Oliveira

Assessoria de Comunicação do Conif

Ações do documento

Página em carregamento