Você está aqui: Página Inicial / Campi / Reitoria / Notícias / Agricultores do Baixo Açu aderem à proposta do IFRN

Agricultores do Baixo Açu aderem à proposta do IFRN

06/10/2011 - Eles querem se capacitar para participar do Projeto Caatinga Viva

Agricultores do Baixo Açu aderem à proposta do IFRN

 Representantes de 10 associações de agricultores e carnaubeiros da região do Baixa Açu  já manifestaram a decisão de aderir ao Projeto Caatinga Viva.  Eles podem se integrar ao projeto como fornecedores de matéria-prima vegetal para ser adensada  e transformada em briquetes (lenha ecológica),  ou como gestores da própria biofábrica que será instalada, até o final deste ano, no Campus  Ipanguaçu do IFRN.  A adesão ao projeto aconteceu na semana passada, durante o 1º Seminário de Incubação de Empresas, realizado no Campus Ipanguaçu do IFRN.

Depois de assistirem a uma apresentação sobre o projeto e a produção de lenha ecológica, os produtores rurais conheceram o Probgrama de Incubação de Empresas do IFRN.  O coordenador do programa, prof. Jerônimo Santos, explicou que os grupos interessados em participar do processo de produção de briquetes precisarão se capacitar e que nada melhor para isso do que contar o apoio técnico e logístico do Instituto, que tem uma larga experiência em incubação de empresas.  "O Sebrae lançou um edital para entidades interessadas em incubar empresas e nós estamos concorrendo com quatro incubadoras - uma aqui em Ipanguaçu e as outras três nos campi de Pau dos Ferros, Caicó e João Câmara", informou o professor Jerônimo.

Segundo ele, a adesão formal dos agricultores do Baixo Açu ao ao Programa de Incubação de Empresas naquele campus é muito importante para o êxito do Projeto Caatinga Viva.   " Aqui na incubadora, as associações receberão todo o apoio necessário para criar as bases que permitirão que elas sejam independentes ao final do processo de incubação.  Isso inclui treinamentos para aprenderem a elaborar projetos públicos e privados, educação financeira e até o planejamento da vida futura das pessoas que estão iniciando o próprio negócio.  É muito importante que elas saibam aonde querem chegar e o que fazer para conseguir isso", disse.

De acordo com a coordenadora-geral do Projeto Caatinga Viva, Taís Belém, o seminário foi o primeiro entre os vários outros que serão realizados não só no Campus Ipanguaçu, como nas próprias comunidades  da região.  "O nosso objetivo é que o maior número possível de pessoas conheça o projeto e saiba como poderá participar dele, seja participando da gestão da biofábrica, como produzindo biomassa para fabricação de briquetes", explicou a coordenadora.

Ações do documento

Página em carregamento