Você está aqui: Página Inicial / Campi / Natal - Central / Cursos / Cursos de Graduação / Tecnologia em Comércio Exterior

Tecnologia em Comércio Exterior

Curso Superior em Tecnologia em Comércio Exterior 

Reitor: Wyllys Abel Farkatt Tabosa
Pró-Reitor de Ensino:
Ticiana Patrícia da Silveira Cunha Coutinho
Diretor-Geral:
José Arnóbio de Araújo Filho
Diretora de Ensino:
Luzimar Barbalho da Silva
Diretor Acadêmico de Gestão e Tecnologia da Informação:
Allyson Amilcar Angelus Freire Soares
Coordenadora do Curso de Tecnologia em Comércio Exterior:
Elisângela Cabral de Meireles

CARGA HORÁRIA
DURAÇÃO DO CURSO
EIXO TECNOLÓGICO
ATO DE AUTORIZAÇÃO
2.554
3 anos
Gestão de Negócios
Portaria nº 121/2003-DG/CEFET/RN, de 30 de abril de 2003
Quadro de Professores:

Nome do Professor
Participação no NDE
Titulação Máxima
Regime de Trabalho
Vínculo Empregatício
Alexandre Lúcio Dantas
Não Mestrado DE RJU
Brenda Camilli Alves Fernandes
Sim Especialização DE RJU
Eduardo Janser de Azevedo Dantas
Sim Mestrado DE RJU
Elisângela Cabral Meireles
Sim Mestrado DE RJU
Fernando Henrique Dantas de Paiva
Não Mestrado DE RJU
Francisco Monteiro de Sales Júnior
Não Especialização DE RJU
Jássio Pereira de Medeiros
Não Doutorado DE RJU
João Batista de Morais Neto
Não Doutorado DE RJU
João Maria Filgueira
Não Mestrado DE RJU
Lúcia de Fátima Lúcio Gomes da Costa
Sim Doutorado DE RJU
Marcos André da Silva
Não Mestrado DE RJU
Marcos Aurélio de Oliveira Santiago
Não Mestrado DE RJU
Maria Emília Santos Ferreira da Silva
Não Mestrado DE RJU
Marli Ferraz S. Tacconi
Não Doutorado DE RJU
Maurílio Gadelha Aires
Não Doutorado DE RJU
Rafael Laffitte Fernandes
Não Mestrado DE RJU
Renato Samuel Barbosa de Araújo
Sim Doutorado DE RJU
Sandro Luís de Sousa
Não Mestrado DE RJU
Sérgio Luiz Baena de Souza
Não Mestrado DE RJU
Vitória Régia Silva de Oliveira
Não Especialização DE RJU
Perfil profissional:

De acordo com o Parecer CNE/CP nº. 29/2002, os cursos de graduação tecnológica devem primar por uma formação em processo contínuo. Essa formação deve pautar-se pela descoberta do conhecimento e pelo desenvolvimento de competências profissionais necessárias ao longo da vida. Deve, ainda, privilegiar a construção do pensamento crítico e autônomo, na elaboração de propostas educativas, que possam garantir identidade aos cursos de graduação tecnológica e favorecer respostas às necessidades e demandas de formação tecnológica, do contexto social local e nacional.

A formação tecnológica proposta no modelo curricular deve propiciar ao aluno condições de: assimilar, integrar e produzir conhecimentos científicos e tecnológicos na área específica de sua formação; analisar criticamente a dinâmica da sociedade brasileira e as diferentes formas de participação do cidadão-tecnólogo nesse contexto; e desenvolver as capacidades necessárias ao desempenho das atividades profissionais.

Nesse sentido, o profissional egresso do Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior deve ser capaz de processar informações, ter senso crítico e ser capaz de impulsionar o desenvolvimento econômico da região, integrando formação técnica à cidadania.

A base de conhecimentos científicos e tecnológicos deverá capacitar o profissional para:

  • Articular e inter-relacionar teoria e prática;
  • Utilizar adequadamente a linguagem oral e escrita como instrumento de comunicação e interação social necessária ao desempenho de sua profissão;
  • Realizar a investigação científica e a pesquisa aplicada como forma de contribuição para o processo de produção do conhecimento;
  • Resolver situações-problema que exijam raciocínio abstrato, percepção espacial, memória auditiva, memória visual, atenção concentrada, operações numéricas e criatividade;
  • Dominar conhecimentos científicos e tecnológicos na área específica de sua formação;
  • Aplicar normas técnicas nas atividades específicas da sua área de formação profissional;
  • Familiarizar-se com as práticas e procedimentos comuns em ambientes organizacionais;
  • Empreender negócios em sua área de formação;
  • Posicionar-se criticamente frente às inovações tecnológicas;
  • Conhecer e aplicar normas de sustentabilidade ambiental, respeitando o meio ambiente e entendendo a sociedade como uma construção humana dotada de tempo, espaço e história;
  • Ter atitude ética no trabalho e no convívio social, compreender os processos de socialização humana em âmbito coletivo e perceber-se como agente social que intervém na realidade.

 Mercado de Trabalho:

O Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior tem como objetivo geral formar um profissional competente, empreendedor, comprometido com o bem estar da coletividade e que saiba articular a teoria à prática, demonstrando habilidades e atitudes compatíveis com a área de Comércio Exterior.
Nesse sentido, a implantação do curso superior de Tecnologia em Comércio Exterior atende, no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte, às demandas geradas por esse contexto social e político, aos princípios da lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, ao Plano de Desenvolvimento da Educação, à função social e às finalidades do IFRN, assim como às Diretrizes Curriculares Nacionais e às orientações do Catálogo Nacional dos Cursos Superiores de Tecnologia. Para se definirem as ofertas, são consideradas as demandas evidenciadas a partir de estudos e pesquisas sobre os arranjos produtivos, culturais e sociais locais, regionais e nacionais.

Assim, o IFRN propõe-se a oferecer o curso superior de Tecnologia em Comércio Exterior, por entender que estará contribuindo para a elevação da qualidade dos serviços prestados à sociedade, formando o Tecnólogo em Comércio Exterior, por meio de um processo de apropriação e de produção de conhecimentos científicos e tecnológicos, capaz de impulsionar a formação humana e o desenvolvimento econômico da região, articulado aos processos de democratização e justiça social.

Prática Profissional:

A prática profissional proposta rege-se pelos princípios da equidade (oportunidade igual a todos), flexibilidade (mais de uma modalidade de prática profissional), aprendizado continuado (articulação entre teoria e prática) e acompanhamento total ao estudante (orientação em todo o período de seu desenvolvimento).

A prática profissional terá carga horária mínima de 360 horas no Curso Superior em Tecnologia de Comércio Exterior, objetivando a integração entre teoria e prática, com base na interdisciplinaridade, e resultando em documentos específicos de registro de cada atividade pelo estudante, sob o acompanhamento e supervisão de um orientador.

A prática profissional compreende desenvolvimento de projetos integradores/técnicos, de extensão e/ou de pesquisa e outras formas de atividades acadêmico-científico-culturais.

Dessa maneira, a prática profissional constitui uma atividade articuladora entre o ensino, a pesquisa e a extensão, balizadores de uma formação articulada, universal e integral de sujeitos para atuar no mundo em constantes mudanças e desafios. Constitui-se, portanto, condição para o graduando obter o Diploma de Tecnólogo.

O mecanismo de planejamento, acompanhamento e avaliação das atividades da prática profissional é composto pelos seguintes itens:

  • Elaboração de um plano de atividades, aprovado pelo orientador;
  • Reuniões periódicas do estudante com o orientador;
  • Elaboração do documento específico de registro da atividade pelo estudante; e,
  • Defesa pública do trabalho pelo estudante perante banca, em trabalhos finais de cursos.


Os documentos e registros elaborados deverão ser escritos de acordo com as normas da ABNT estabelecidas para a redação de trabalhos técnicos e científicos e farão parte do acervo bibliográfico do IFRN.

Será atribuída à prática profissional uma pontuação entre 0 (zero) e 100 (cem) e o estudante será aprovado com, no mínimo, 60 (sessenta) pontos. A nota final da prática profissional será calculada pela média aritmética ponderada das atividades envolvidas, tendo como pesos as respectivas cargas-horárias, devendo o aluno obter, para registro/validade, a pontuação mínima de 60 (sessenta) pontos, em cada uma das atividades.

A prática profissional desenvolvida por meio de atividades acadêmico-científico-culturais não terá pontuação e, consequentemente, não entrará no cômputo da nota final da prática profissional, sendo condição suficiente o cumprimento da carga-horária mínima prevista no projeto pedagógico de curso.

Formas de Ingresso:

O acesso ao Curso Superior de Tecnologia em Comércio Exterior, destinado aos portadores do certificado de conclusão do ensino médio, ou equivalente, poderá ser feito por:

  • Exame de seleção, aberto ao público ou conveniado, para o primeiro período do curso; ou,
  • Transferência ou reingresso, para período compatível, posterior ao primeiro.

Com o objetivo de manter o equilíbrio entre os distintos segmentos socioeconômicos que procuram matricular-se nas ofertas educacionais do IFRN e, também, com o intuito de contribuir para a democratização do acesso ao ensino superior, a Instituição reservará, no mínimo, 50% (cinquenta por cento) das vagas para estudantes provenientes da rede pública de ensino e, que nela tenham estudado do sexto ao nono ano do ensino fundamental e, todo o ensino médio.

Projeto Pedagógico do curso: Portaria 121/2003-DG/CEFET-RN de 30/04/2003


Secretaria Acadêmica: (084): 4005-2637

Site da Diretoria Acadêmica: http://diatinf.ifrn.edu.br/doku.php

 


Ações do documento

Página em carregamento